Aventuras no nordeste brasileiro (O Cangaceiro)

30.06.2019

 

Lançado em 1953, escrito e dirigido por Lima Barreto e com diálogos criador por Rachel de Queiroz, O Cangaceiro foi o primeiro filme brasileiro a conquistar as telas internacionais.

 

Seu enredo apresenta a história do cangaceiro Capitão Galdino, claramente inspirado em Lampião, que aterroriza os vilarejos da região nordeste do Brasil, saqueando e matando junto a seu bando de capangas. Em um desses ataques, sequestra a professora Olivia, por quem pede resgate. Todavia, seu braço direito, Teodoro, acaba por se apaixonar pela mulher, o que causa a discórdia dentro do bando.

 

O Cangaceiro foi vencedor do prêmio de Melhor Filme de Aventura e Melhor Trilha Sonora no Festival de Cannes. A música, Mulher Rendeira, é interpretada pela atriz Vanja Orico, acompanhada do coro dos Demônios da Garoa (comento esse, inclusive, responsável pelo grupo musical ter o primeiro contato co o compositor Adoniran Barbosa). Tamanho sucesso fez com que o filme fosse exibido em mais de 80 países, permanecendo por 5 anos nos cartazes da França.

 

A Garota prodígio dos livros às telas

 

Há de se perceber que a familiaridade com o nome da criadora dos diálogos presentes no filme de Lima Barreto (que não é o escritor, que fique claro) é absolutamente esperado. Rachel de Queiroz foi escritora, romancista, tradutora, cronista e dramaturga. Primeira mulher a ingressar na Academia Brasileira de Letras e primeira mulher contemplada com o Prêmio Camões.

 A escritora Rachel de Queiroz

 

Tamanha importância para cenário cultural brasileiro só engrandece ainda mais a importância e qualidade artística e técnica d’O Cangaceiro.

 

Milton Ribeiro: invadindo as HQs

 

Responsável pela interpretação do temido cangaceiro Capitão Galdino, o ator mineiro Milton Ribeiro alçou reconhecimento mundial.

 À esquerda, Milton Ribeiro interpretando Capitão Galdino

 

Curioso comentar que, semelhante ao que acontecia a atores de filmes de faroeste americanos, Milton virou personagem de história em quadrinhos criadas por Geodone Malagola, pela editora Jupiter. Porém, ao contrário da personificação cinematográfica, nas hqs o ator era representado como um herói dos sertões.

 

O Cangaceiro (1953)

 

Assista, abaixo, ao famoso completo.

 

 

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload

RESSURECTIONE

POR LUIZ PIEROTTI

 

Em meio à festa, à dança. à diversão: o tempo passa.
Em meio ao trabalho, o relatório, o feedback: o tempo passa.

Durante o domingo, durante o sexo, durante a partida de futebol e a risada pós piada, cada segundo passa, escorrendo pelo rastro de tantos outros segundos perdidos, de tantas outras ideias esquecidas, de tantos outros desejos abandonados.

Se uma ideia não realizada é uma ideia inexistente, então também cada palavra não proclamada é um pensamento inexistente. Cada plano abandonado uma rendição prévia. E a cada tópico anteriormente citado, uma inexistência de parte do que nos constitui.

Totentanz é a recordação do tempo constante, é a observação do tudo no agora.

É a busca, mesmo que sempre busca, da observação do caos em sua plenitude.

O Manifesto não busca a individualidade, nem a remediação do singular. 

Pretende a busca da identificação exterior do sujeito de Rimbaud. O continente humano de John Donne. A celebração de Whitman. A razão de Hamlet. O tempo: Chronos e Kairós.

   MANIFESTo TOTENTANZ    

     POSTS recentes:     
Please reload

© 2016 por O Caos Cultural.