O Prisioneiro da Grade de Ferro - Documentário

02.06.2020

 Em 2001, o diretor cinematográfico Paulo Sacramento lançou um "Curso de Vídeo" penitenciária do Carandiru, tendo 100 inscritos nos primeiros 60 segundos. O que os homens não sabiam é que o curso teria como propósito a criação de um documentário chamado "O Prisioneiro da Grade de Ferro", filmado pelos próprios detentos.

O documentário exibe a rotina na maior prisão da América Latina. Sacramento diz que não revelou a intenção desde o início porque não tinha "absoluta convicção" de que conseguiria realizar o filme. "E, na prisão, você deve cumprir o que promete", afirma.

Filmado um ano antes da desativação do complexo prisional, "O Prisioneiro da Grade de Ferro" abre uma janela crua para a vida dentro do presídio onde, no passado, ocorrera o maior massacre de presos da história do Brasil: 111 homens mortos pelas forças policiais. Nove anos se passaram, e o local continuou a ser o retrato do preconceito, injustiça, miséria e descaso da sociedade brasileira.

 

O Prisioneiro da Grade de Ferro - Documentário (2003)

 

 

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload

RESSURECTIONE

POR LUIZ PIEROTTI

 

Em meio à festa, à dança. à diversão: o tempo passa.
Em meio ao trabalho, o relatório, o feedback: o tempo passa.

Durante o domingo, durante o sexo, durante a partida de futebol e a risada pós piada, cada segundo passa, escorrendo pelo rastro de tantos outros segundos perdidos, de tantas outras ideias esquecidas, de tantos outros desejos abandonados.

Se uma ideia não realizada é uma ideia inexistente, então também cada palavra não proclamada é um pensamento inexistente. Cada plano abandonado uma rendição prévia. E a cada tópico anteriormente citado, uma inexistência de parte do que nos constitui.

Totentanz é a recordação do tempo constante, é a observação do tudo no agora.

É a busca, mesmo que sempre busca, da observação do caos em sua plenitude.

O Manifesto não busca a individualidade, nem a remediação do singular. 

Pretende a busca da identificação exterior do sujeito de Rimbaud. O continente humano de John Donne. A celebração de Whitman. A razão de Hamlet. O tempo: Chronos e Kairós.

   MANIFESTo TOTENTANZ    

     POSTS recentes:     
Please reload

© 2016 por O Caos Cultural.