• Luiz Pierotti

Quatro incríveis curtas de apenas 1 minuto


Qualquer um que já se aventurou a criar um roteiro ou uma obra de audiovisual sabe o quanto é difícil dizer muito em pouco tempo.

Uma das maiores demonstrações da capacidade de se criar obras primas de pouquíssima duração são os curtas de 1 minuto. Apesar das dificuldades envolvidas no processo de manutenção de tempo e conteúdo, alguns diretores conseguem, por meio de muita criatividade, criar curtas incrível sem ultrapassar os 60 segundos.

Seguem quatro exemplos de curtas incríveis de apenas 1 minuto.

In The Room

Mãe e filhas realizam um ritual sobre o filho adormecido.

Direção e roteiro: Paul Bedarev

Atores: Vladimir Postanovskii, Diana Fedoriaka, Anastasiia Bedareva, Anastasiia Leliuk e Basel Forani

Fever Dream

Rapaz é atormentado por um pesadelo que se repete constantemente, transformando sua realidade em um terrorizante looping. Baseado em um sonho do diretor

Direção: Nils Kimmel

Atores: Zac Loewen e Nils Kimmel

Drown

Um jovem luta para chegar a um acordo com a perda de sua namorada; quando a imagem dela o assombra, ele desce para um estado violentamente físico, onde a água do lago que a afogou o consome.

Diretor: Joseph Lynn

Atores: Martin Quinn, Lucie Fletcher

A Glimpse

Um vislumbre do futuro, do passado, ou de algum lugar entre eles.

RESSURECTIONE

POR LUIZ PIEROTTI

 

Em meio à festa, à dança. à diversão: o tempo passa.
Em meio ao trabalho, o relatório, o feedback: o tempo passa.

Durante o domingo, durante o sexo, durante a partida de futebol e a risada pós piada, cada segundo passa, escorrendo pelo rastro de tantos outros segundos perdidos, de tantas outras ideias esquecidas, de tantos outros desejos abandonados.

Se uma ideia não realizada é uma ideia inexistente, então também cada palavra não proclamada é um pensamento inexistente. Cada plano abandonado uma rendição prévia. E a cada tópico anteriormente citado, uma inexistência de parte do que nos constitui.

Totentanz é a recordação do tempo constante, é a observação do tudo no agora.

É a busca, mesmo que sempre busca, da observação do caos em sua plenitude.

O Manifesto não busca a individualidade, nem a remediação do singular. 

Pretende a busca da identificação exterior do sujeito de Rimbaud. O continente humano de John Donne. A celebração de Whitman. A razão de Hamlet. O tempo: Chronos e Kairós.

   MANIFESTo TOTENTANZ    

     POSTS recentes: