15 citações de Jean-Paul Sartre

24.06.2019

 

Filósofo, escritor e crítico francês, Jean-Paul Sartre é considerado referência nos estudos sobre o existencialismo. Ao tratar de conceitos como a liberdade humana, Sartre fundamenta que a essência do ser é adquirida por meio das vivências e experiências. Para tal, o individuo faz escolhas, tarefa árdua, cujo propósito final é entender a sua própria condição, preso a uma situação de culpabilidade das respostas recebidas por cada ação praticada.

 

Abaixo,  15 citações de Jean-Paul Sartre.

 

  1. “O homem deve ser inventado a cada dia.”

  2.  “Quando os ricos fazem a guerra, são sempre os pobres que morrem.”

  3. “Nasci para satisfazer a grande necessidade que eu tinha de mim mesmo.”

  4. “Todos os homens têm medo. Quem não tem medo não é normal; isso nada tem a ver com a coragem.”

  5. “Viver é isso: Ficar se equilibrando o tempo todo, entre escolhas e consequências.”

  6. “Não fazemos o que queremos e, no entanto, somos responsáveis pelo que somos: eis a verdade.”

  7. “Um amor, uma carreira, uma revolução: outras tantas coisas que se começam sem saber como acabarão.”

  8. “O homem não é a soma do que tem, mas a totalidade do que ainda não tem, do que poderia ter.”

  9. “Um homem não pode ser mais homem do que os outros, porque a liberdade é semelhantemente infinita em cada um.”

  10. “A beleza é uma contradição velada.”

  11. “Não importa o que fizeram com você. O que importa é o que você faz com aquilo que fizeram com você.”

  12. “A violência, seja qual for a maneira como ela se manifesta, é sempre uma derrota.”

  13. “O homem não é nada mais do que aquilo que faz a si próprio.”

  14. “Liberdade não é fazer o que se quer, mas querer o que se faz.”

  15. “Não fazemos aquilo que queremos e, no entanto, somos responsáveis por aquilo que somos

     

     

     

     

     

     

     

     

     

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload

RESSURECTIONE

POR LUIZ PIEROTTI

 

Em meio à festa, à dança. à diversão: o tempo passa.
Em meio ao trabalho, o relatório, o feedback: o tempo passa.

Durante o domingo, durante o sexo, durante a partida de futebol e a risada pós piada, cada segundo passa, escorrendo pelo rastro de tantos outros segundos perdidos, de tantas outras ideias esquecidas, de tantos outros desejos abandonados.

Se uma ideia não realizada é uma ideia inexistente, então também cada palavra não proclamada é um pensamento inexistente. Cada plano abandonado uma rendição prévia. E a cada tópico anteriormente citado, uma inexistência de parte do que nos constitui.

Totentanz é a recordação do tempo constante, é a observação do tudo no agora.

É a busca, mesmo que sempre busca, da observação do caos em sua plenitude.

O Manifesto não busca a individualidade, nem a remediação do singular. 

Pretende a busca da identificação exterior do sujeito de Rimbaud. O continente humano de John Donne. A celebração de Whitman. A razão de Hamlet. O tempo: Chronos e Kairós.

   MANIFESTo TOTENTANZ    

     POSTS recentes:     
Please reload

© 2016 por O Caos Cultural.