Sessão de Domingo: O Espantalho (1920)

23.06.2019

Os fazendeiros Keaton e Roberts compartilham diversos armengues mecânicos que tornam suas vidas mais fáceis. Entretanto, quando os dois se apaixonam pela mesma garota, a partilha não será fácil.

 

O Espantalho tem como diretor e protagonista o americano Buster Keaton, um dos maiores nomes do cinema muda e tido como rival de Charles Chaplin. Porém, diferente deste, o sucesso de Keaton não resistiu è conversão do cinema mudo para o falado.

 

O Espantalho 

 

DIREÇÃO Buster Keaton | Edward F. Cline

ELENCO Buster Keaton | Joe Roberts | Sybil Seely | Joe Keaton | Edward F. Cline | Al St. John | Mary Astor

GÊNERO Comédia

PAÍS Estados Unidos

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload

RESSURECTIONE

POR LUIZ PIEROTTI

 

Em meio à festa, à dança. à diversão: o tempo passa.
Em meio ao trabalho, o relatório, o feedback: o tempo passa.

Durante o domingo, durante o sexo, durante a partida de futebol e a risada pós piada, cada segundo passa, escorrendo pelo rastro de tantos outros segundos perdidos, de tantas outras ideias esquecidas, de tantos outros desejos abandonados.

Se uma ideia não realizada é uma ideia inexistente, então também cada palavra não proclamada é um pensamento inexistente. Cada plano abandonado uma rendição prévia. E a cada tópico anteriormente citado, uma inexistência de parte do que nos constitui.

Totentanz é a recordação do tempo constante, é a observação do tudo no agora.

É a busca, mesmo que sempre busca, da observação do caos em sua plenitude.

O Manifesto não busca a individualidade, nem a remediação do singular. 

Pretende a busca da identificação exterior do sujeito de Rimbaud. O continente humano de John Donne. A celebração de Whitman. A razão de Hamlet. O tempo: Chronos e Kairós.

   MANIFESTo TOTENTANZ    

     POSTS recentes:     
Please reload

© 2016 por O Caos Cultural.