Ponto G: Mulheres na História e no Podcast

10.09.2018

 Idealizado pela publicitária Ira Croft, o podcast Ponto G conta a biografia de mulheres incríveis que marcaram a história, fazendo de suas vidas e feitos, legados para a posterioridade.

 

Contando com mais de 70 episódios, o Ponto G faz parte do espaço digital Preciosa Madalena, espaço este que procura esclarecer a presença e os marcos históricos femininos, por muitas vezes ignorados, incentivando, assim, a ação e a liberdade das demais mulheres.

 

Além da idealizadora e apresentadora do programa, Ira Croft, a equipe é formada pela linguísta e tradutora Juliana Ponzilacqua,  pela mestra em literatura comparada Beatriz Santos, pela historiadora Tupa Guerra, pela graduanda em sistemas de informação, Liliane Ribeiro e pela doutoranda em biologia, Erika Cavalcante.

 

Conheça e acompanhe o trabalho pelo link: Ponto G 

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload

RESSURECTIONE

POR LUIZ PIEROTTI

 

Em meio à festa, à dança. à diversão: o tempo passa.
Em meio ao trabalho, o relatório, o feedback: o tempo passa.

Durante o domingo, durante o sexo, durante a partida de futebol e a risada pós piada, cada segundo passa, escorrendo pelo rastro de tantos outros segundos perdidos, de tantas outras ideias esquecidas, de tantos outros desejos abandonados.

Se uma ideia não realizada é uma ideia inexistente, então também cada palavra não proclamada é um pensamento inexistente. Cada plano abandonado uma rendição prévia. E a cada tópico anteriormente citado, uma inexistência de parte do que nos constitui.

Totentanz é a recordação do tempo constante, é a observação do tudo no agora.

É a busca, mesmo que sempre busca, da observação do caos em sua plenitude.

O Manifesto não busca a individualidade, nem a remediação do singular. 

Pretende a busca da identificação exterior do sujeito de Rimbaud. O continente humano de John Donne. A celebração de Whitman. A razão de Hamlet. O tempo: Chronos e Kairós.

   MANIFESTo TOTENTANZ    

     POSTS recentes:     
Please reload

© 2016 por O Caos Cultural.