Clássicos do Cinema: O Pai do Soldado (1964)

29.07.2018

 

Giorgi Makharashvili, um rude camponês  cultivador de vinho, se lança em uma incrível jornada em busca do filho, Goderdzi Makharashvili, durante a Grande Guerra Patriótica (Segunda Guerra Mundial), após saber que o jovem estava ferido em um hospital.


Este é o enredo do aclamado filme georgiano "O Pai do Soldado", de 1964, vencedor de vários prêmios dentro e fora da URSS e responsável por consagrar a carreira de Sergo Zaqariadze, ator que interpreta o personagem protagonista da história.

 

O Pai do Soldado 

 (Habilite a legenda do vídeo)

 

Versão remasterizada pelo canal estatal russo Primeiro Canal  (Первый канал)


Ficha Técnica


Título original: ჯარისკაცის მამა   
País de origem: União Soviética (RSS Georgiana)
Ano: 1964.
Diretor: Rezo Chkheidze
Elenco principal: Sergo Zakariadze, Viktor Uralsky, Vladimir Privaltsev.

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload

RESSURECTIONE

POR LUIZ PIEROTTI

 

Em meio à festa, à dança. à diversão: o tempo passa.
Em meio ao trabalho, o relatório, o feedback: o tempo passa.

Durante o domingo, durante o sexo, durante a partida de futebol e a risada pós piada, cada segundo passa, escorrendo pelo rastro de tantos outros segundos perdidos, de tantas outras ideias esquecidas, de tantos outros desejos abandonados.

Se uma ideia não realizada é uma ideia inexistente, então também cada palavra não proclamada é um pensamento inexistente. Cada plano abandonado uma rendição prévia. E a cada tópico anteriormente citado, uma inexistência de parte do que nos constitui.

Totentanz é a recordação do tempo constante, é a observação do tudo no agora.

É a busca, mesmo que sempre busca, da observação do caos em sua plenitude.

O Manifesto não busca a individualidade, nem a remediação do singular. 

Pretende a busca da identificação exterior do sujeito de Rimbaud. O continente humano de John Donne. A celebração de Whitman. A razão de Hamlet. O tempo: Chronos e Kairós.

   MANIFESTo TOTENTANZ    

     POSTS recentes:     
Please reload

© 2016 por O Caos Cultural.