The GunFighter (Curta)

18.06.2018

 

 Na tradição dos westerns clássicos, a voz de um narrador define a história de um pistoleiro solitário que entra em um bar. No entanto, no curta, as pessoas nessa sala podem ouvir o narrador, e essa voz pode ser um pouco desagradável (e sanguinária).

 

O curta norte americano de 9 minutos foi lançado em 2014 e dirigido por Eric Kissack.

 

The Gunfighter (em inglês)

 

Diretor: Eric Kissack
Roteirista: Kevin Tenglin
Narrador (voz): Nick Offerman 

 

Estrelado por: 
Scott Beehner  ... Tommy Henderson
Shawn Parsons  ... The Gunfighter
Brace Harris  ... Johnny Henderson
Eileen O'Connell  ... Sally
Jordan Black  ... Sam
Timothy Brennen  ... Bill Jessup
Travis Lincoln Cox  ... Elijah Jessup
Schoen Hodges  ... Gabriel Jessup
Circus-Szalewski  ... Ned Schilling (as Circus Szalewski)
Chet Nelson  ... Farmer Valentine
Keith Biondi  ... John McCullers

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload

RESSURECTIONE

POR LUIZ PIEROTTI

 

Em meio à festa, à dança. à diversão: o tempo passa.
Em meio ao trabalho, o relatório, o feedback: o tempo passa.

Durante o domingo, durante o sexo, durante a partida de futebol e a risada pós piada, cada segundo passa, escorrendo pelo rastro de tantos outros segundos perdidos, de tantas outras ideias esquecidas, de tantos outros desejos abandonados.

Se uma ideia não realizada é uma ideia inexistente, então também cada palavra não proclamada é um pensamento inexistente. Cada plano abandonado uma rendição prévia. E a cada tópico anteriormente citado, uma inexistência de parte do que nos constitui.

Totentanz é a recordação do tempo constante, é a observação do tudo no agora.

É a busca, mesmo que sempre busca, da observação do caos em sua plenitude.

O Manifesto não busca a individualidade, nem a remediação do singular. 

Pretende a busca da identificação exterior do sujeito de Rimbaud. O continente humano de John Donne. A celebração de Whitman. A razão de Hamlet. O tempo: Chronos e Kairós.

   MANIFESTo TOTENTANZ    

     POSTS recentes:     
Please reload

© 2016 por O Caos Cultural.