Menino 23 e a Fazenda Nazista Brasileira

26.04.2018

 O Brasil que por vezes ignora seu preconceito institucionalizado, afirmando a justiça e pacificidade de um país serenamente miscigenado, fecha os olhos para seu passado vergonhoso. Racismo, eugenia, escravidão de crianças e o segundo maior partido nazista fora de território alemão eram algumas de nossas marcas no início do século XX.

 

O documentário lançado em 2016  retrata a pesquisa do historiador Sydney Aguilar Filho.[4] Em 1998, o professor de história dava aula sobre o nazismo, quando foi surpreendido por uma menina afirmando que na fazenda de sua família havia uma suástica nos tijolos da casa. Achando isso suspeito, Aguiar vai a fundo na história e descobre que nazistas brasileros retiraram 50 meninos negros de um orfanato para serem escravizados.

 

 

Equipe:

Direção: Belisario Franca

Roteiro: Bianca Lenti e Belisario Franca

Produção: Maria Carneiro da Cunha

Produção Executiva: Cláudia Lima

Edição: Yan Motta

Musica: Armand Amar

Fotografia: Thiago Lima, Mário Franca e Lula Cerri.

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload

RESSURECTIONE

POR LUIZ PIEROTTI

 

Em meio à festa, à dança. à diversão: o tempo passa.
Em meio ao trabalho, o relatório, o feedback: o tempo passa.

Durante o domingo, durante o sexo, durante a partida de futebol e a risada pós piada, cada segundo passa, escorrendo pelo rastro de tantos outros segundos perdidos, de tantas outras ideias esquecidas, de tantos outros desejos abandonados.

Se uma ideia não realizada é uma ideia inexistente, então também cada palavra não proclamada é um pensamento inexistente. Cada plano abandonado uma rendição prévia. E a cada tópico anteriormente citado, uma inexistência de parte do que nos constitui.

Totentanz é a recordação do tempo constante, é a observação do tudo no agora.

É a busca, mesmo que sempre busca, da observação do caos em sua plenitude.

O Manifesto não busca a individualidade, nem a remediação do singular. 

Pretende a busca da identificação exterior do sujeito de Rimbaud. O continente humano de John Donne. A celebração de Whitman. A razão de Hamlet. O tempo: Chronos e Kairós.

   MANIFESTo TOTENTANZ    

     POSTS recentes:     
Please reload

© 2016 por O Caos Cultural.