The Negro in the New World

14.11.2017

 

Em janeiro de 2016 a Biblioteca Pública de Nova Yorque adicionou ao seu acervo digital diversas fotos raras do Brasil Império. 

 

A galeria pertence ao livro  "The Negro in the New World" escrito, 1910, pelo explorador britânico Sir Harry Jonhston, e é formada por diversos registros, fotográficos e ilustrados, uue remontam a vida dos negros brasileiro, principalmente baianos, após a abolição da escravatura.

 

Apesar dos registros de nossa história, Jonhston nunca esteve no Brasil, de acordo com o escritor Gilberto Freyre, que menciona o funcionário colonial britânico no livro Casa Grande e Senzala, publicado no Brasil em 1933.

 

O Brasil não é o único país representado no livro, o acervo conta com imagens da República Dominicana, Cuba, Congo, Guiana Holandesa (hoje o Suriname), etc.

 

Abaixo, algumas das fotos do acervo que retratam os negros brasileiros no final do século XIX:

 

Para acessar o arquivo completo, clique AQUI.

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload

RESSURECTIONE

POR LUIZ PIEROTTI

 

Em meio à festa, à dança. à diversão: o tempo passa.
Em meio ao trabalho, o relatório, o feedback: o tempo passa.

Durante o domingo, durante o sexo, durante a partida de futebol e a risada pós piada, cada segundo passa, escorrendo pelo rastro de tantos outros segundos perdidos, de tantas outras ideias esquecidas, de tantos outros desejos abandonados.

Se uma ideia não realizada é uma ideia inexistente, então também cada palavra não proclamada é um pensamento inexistente. Cada plano abandonado uma rendição prévia. E a cada tópico anteriormente citado, uma inexistência de parte do que nos constitui.

Totentanz é a recordação do tempo constante, é a observação do tudo no agora.

É a busca, mesmo que sempre busca, da observação do caos em sua plenitude.

O Manifesto não busca a individualidade, nem a remediação do singular. 

Pretende a busca da identificação exterior do sujeito de Rimbaud. O continente humano de John Donne. A celebração de Whitman. A razão de Hamlet. O tempo: Chronos e Kairós.

   MANIFESTo TOTENTANZ    

     POSTS recentes:     
Please reload

© 2016 por O Caos Cultural.