George Carlin: Humor e Crítica

22.10.2017

 O humor é um ótimo instrumento para a crítica, e disso George Carlin sabia.

 

George Denis Patrick Carlin (Nova Iorque, 12 de maio de 1937 — Santa Mônica, 22 de junho de 2008) foi um humorista, comediante de stand-up, ator e autor norte-americano, vencedor de cinco Grammys.

 

Polêmico, o humorista abordava política, cultura, psicologia, religião e tantos outros temas tabus, sendo, até mesmo, preso por várias vezes após levar ao palco sua apresentação “sete palavras que não se pode dizer na televisão”.

 

Eleito o segundo melhor comediante de stand up de todos os tempos pelo Comedy Central, Carlin possuia histórico de problemas cardíacos, incluindo três ataques cardíacos, uma arritmia e uma insufiência cardíaca.

 

Em 22 de junho de 2008, George Carlin foi internado no Saint John's Health Center, em Santa Mônica, onde morreu de falha cardíaca, aos 71 anos.

 

Assista, abaixo, três trechos de apresentação do comediante:

 

 

 

 

 

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload

RESSURECTIONE

POR LUIZ PIEROTTI

 

Em meio à festa, à dança. à diversão: o tempo passa.
Em meio ao trabalho, o relatório, o feedback: o tempo passa.

Durante o domingo, durante o sexo, durante a partida de futebol e a risada pós piada, cada segundo passa, escorrendo pelo rastro de tantos outros segundos perdidos, de tantas outras ideias esquecidas, de tantos outros desejos abandonados.

Se uma ideia não realizada é uma ideia inexistente, então também cada palavra não proclamada é um pensamento inexistente. Cada plano abandonado uma rendição prévia. E a cada tópico anteriormente citado, uma inexistência de parte do que nos constitui.

Totentanz é a recordação do tempo constante, é a observação do tudo no agora.

É a busca, mesmo que sempre busca, da observação do caos em sua plenitude.

O Manifesto não busca a individualidade, nem a remediação do singular. 

Pretende a busca da identificação exterior do sujeito de Rimbaud. O continente humano de John Donne. A celebração de Whitman. A razão de Hamlet. O tempo: Chronos e Kairós.

   MANIFESTo TOTENTANZ    

     POSTS recentes:     
Please reload

© 2016 por O Caos Cultural.