Johannes Vermeer: Galeria

08.10.2017

 

Johannes Vermeer (Delft, 31 de Outubro de 1632 - Delft, 15 de Dezembro de 1675)  foi um pintor holandês relacionado ao movimento estético barroco.


Segundo pintor mais conhecido da Holanda, juntou-se à guilda de São Lucas em 1653, presidindo-a algum tempo depois. Vivia com os frutos do oficio de comerciante de arte, não com a venda de seus quadros, tendo tido uma vida muito pobre.


Muitos de seus quadros foram vendidos com a assinatura de outros pintores, manobra esta para que as obras adquirissem valor de comércio. Foi só recentemente que o historiador de arte Théophile Thoré atribuiu 76 pinturas a Vermeer. Täl declaração é questionada por outros profissionais da área, porém acredita-se que ainda existam pinturas do autor a serem descobertas.


O estilo de Johannes Vermeer é, por vezes, considerado um antecessor da fotografia, tamanho detalhismo empregado em sua visão realista de pintura.

 

 

Já nos segue nas redes sociais? Acompanhe para não perder novos posts e receber conteúdos variádos:

 

Facebook: https://www.facebook.com/caoscultural

Instagram: https://www.instagram.com/ocaoscultural/Twitter:

https://twitter.com/ocaoscultural

 

 

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload

RESSURECTIONE

POR LUIZ PIEROTTI

 

Em meio à festa, à dança. à diversão: o tempo passa.
Em meio ao trabalho, o relatório, o feedback: o tempo passa.

Durante o domingo, durante o sexo, durante a partida de futebol e a risada pós piada, cada segundo passa, escorrendo pelo rastro de tantos outros segundos perdidos, de tantas outras ideias esquecidas, de tantos outros desejos abandonados.

Se uma ideia não realizada é uma ideia inexistente, então também cada palavra não proclamada é um pensamento inexistente. Cada plano abandonado uma rendição prévia. E a cada tópico anteriormente citado, uma inexistência de parte do que nos constitui.

Totentanz é a recordação do tempo constante, é a observação do tudo no agora.

É a busca, mesmo que sempre busca, da observação do caos em sua plenitude.

O Manifesto não busca a individualidade, nem a remediação do singular. 

Pretende a busca da identificação exterior do sujeito de Rimbaud. O continente humano de John Donne. A celebração de Whitman. A razão de Hamlet. O tempo: Chronos e Kairós.

   MANIFESTo TOTENTANZ    

     POSTS recentes:     
Please reload

© 2016 por O Caos Cultural.