Ghost Writer – Ainda é possível em um mundo ligado ao “Ser”?

24.09.2017

 

Literalmente, melhor expressão não poderia existir. Ghost Writer, escritor fantasma, aquele que usa suas palavras e diálogos no mundo, porém se esconde nas trevas e no esquecimento.  Apesar de desconhecido pelo grande público, essa atividade continua ocorrendo. Um Ghost Writer é, normalmente, um escritor(a) bem qualificado, um profundo conhecedor das palavras e que domina a estrutura de sua língua,  e que geralmente utiliza de sua técnica para escrever discursos, pareceres, poesias, prosas, livros e até roteiros para outras pessoas que não são tão capacitadas ou que não tem tempo ou talento para faze-lo por elas mesmas. Essa prática já foi utilizada por muitas celebridades, políticos, músicos, etc. Há diversas auto-biografias  escritas por Ghost Writers (coisa estranha, a sua auto-biografia escrita por outra pessoa).

 

 Anonymvs - Statue at Budapest - Hungary

 

Apesar de ser uma profissão nas trevas, ela ainda continua com um mercado em expansão e mantendo-se firme, com até mesmo a criação de congressos mundiais de Ghost Writers, para tratar de sua prática . Um desses congressos mais famosos ocorre na cidade de Budapeste-Hungria, cidade iconômica, onde há uma famosa escultura que homenageia os escritores fantasmas, pois, segundo a lenda, fora a cidade onde um escritor fantasma haveria produzido o famoso livro de Gesta Hungarorum, que conta a origem do povo hungáro.

 

O interessante de pensar em um escritor fantasma é, principalmente, em sua característica de permanecer no anonimato, independente do resultado de sua obra, que em alguns casos poderia trazer lucro e fama. Quem realmente escreveu não ganha os "louros", mas sim o detentor dos direitos da obra.

 

A grande reflexão que surge é: em um mundo tão atrelado ao “ser”, aqui com o significado de aparecer, de ter de pertencer a algo, de produzir algo, é impressionante pensar em uma profissão que continua se escondendo nas trevas e que parece estar mais preocupada com o resultado da obra do que propriamente com o indvíduo que a escreve e idealiza.

 

Romance Budapeste de Chico Buarque - Trata do tema Ghost Writers

 

Aparentemente, as palavras só tem significado se forem colocadas no papel, independente de quem seja o seu verdadeiro ator.

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload

RESSURECTIONE

POR LUIZ PIEROTTI

 

Em meio à festa, à dança. à diversão: o tempo passa.
Em meio ao trabalho, o relatório, o feedback: o tempo passa.

Durante o domingo, durante o sexo, durante a partida de futebol e a risada pós piada, cada segundo passa, escorrendo pelo rastro de tantos outros segundos perdidos, de tantas outras ideias esquecidas, de tantos outros desejos abandonados.

Se uma ideia não realizada é uma ideia inexistente, então também cada palavra não proclamada é um pensamento inexistente. Cada plano abandonado uma rendição prévia. E a cada tópico anteriormente citado, uma inexistência de parte do que nos constitui.

Totentanz é a recordação do tempo constante, é a observação do tudo no agora.

É a busca, mesmo que sempre busca, da observação do caos em sua plenitude.

O Manifesto não busca a individualidade, nem a remediação do singular. 

Pretende a busca da identificação exterior do sujeito de Rimbaud. O continente humano de John Donne. A celebração de Whitman. A razão de Hamlet. O tempo: Chronos e Kairós.

   MANIFESTo TOTENTANZ    

     POSTS recentes:     
Please reload

© 2016 por O Caos Cultural.