Você conhece a ópera Carmen?

23.04.2017

 

Apesar de cantarolada pela grande maioria das pessoas, Carmen (assim como tantas outras obras desse gênero musical) tem sua história desconhecida pela maioria do público. Hoje, portanto, vamos falar um pouco sobre a peça supracitada.

 

Composta pelo Francês Georges Bizet e de libreto (texto da ópera) de Henri Meihac e Ludovic Halévy, foi baseada na novela homônima de Prosper Mérimée. e teve sua estréia em março de 1875, sendo alvo de severas críticas pelo caráter transgressor de sua protagonista.


O sucesso só veio em outubro do mesmo ano, quando, apresentada em Viena, foi aplaudida por nomes como Brahms, Wagner, Tchaikovsky e Nietzsche, aclamação esta que não pode ser presenciada por Bizet, que morrera três meses antes.


A ópera conta a história de Carmen, uma cigana transgressora e de extrema beleza, capaz de seduzir qualquer homem, e que, após problemas com a justiça, usa de seu charme para levar o honesto cabo Don José a tornar-se um fora da lei.


Abaixo a encenação de "Ç'amour est un oiseau rebelle", primeiro ato, com a participação de Elina Garanca (Carmen), conduzida por Yannick Nézet-Séguin e produzida por Richard Eyre, em 2009.

 

 

 

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload

RESSURECTIONE

POR LUIZ PIEROTTI

 

Em meio à festa, à dança. à diversão: o tempo passa.
Em meio ao trabalho, o relatório, o feedback: o tempo passa.

Durante o domingo, durante o sexo, durante a partida de futebol e a risada pós piada, cada segundo passa, escorrendo pelo rastro de tantos outros segundos perdidos, de tantas outras ideias esquecidas, de tantos outros desejos abandonados.

Se uma ideia não realizada é uma ideia inexistente, então também cada palavra não proclamada é um pensamento inexistente. Cada plano abandonado uma rendição prévia. E a cada tópico anteriormente citado, uma inexistência de parte do que nos constitui.

Totentanz é a recordação do tempo constante, é a observação do tudo no agora.

É a busca, mesmo que sempre busca, da observação do caos em sua plenitude.

O Manifesto não busca a individualidade, nem a remediação do singular. 

Pretende a busca da identificação exterior do sujeito de Rimbaud. O continente humano de John Donne. A celebração de Whitman. A razão de Hamlet. O tempo: Chronos e Kairós.

   MANIFESTo TOTENTANZ    

     POSTS recentes:     
Please reload

© 2016 por O Caos Cultural.