20 May 2019

Mais de 40 mil imagens, publicadas originalmente em 1.100 livros de ilustração e manuscritos japoneses estão disponíveis online no site das bibliotecas Smithsonian.

O acervo se deu pela iniciativa do Instituto Americano, criado em 1846, e que reúne diversos museus e cen...

17 May 2019

Há alguns dias, aqui no Caos Cultural, um post foi publicado sobre a incrível arte do escultor taiwanês Han Hsu-Tung. Suas imagens feitas de madeira parecem mesclar figuras orgânicas com tecnologia digital, em estruturas que se dissolvem em pixels flutuantes. 

Dura...

29 Dec 2018

De ascendência porto riquenha e haitiana, Jean-Michel Basquiat é um artísta americano, grafiteiro e neo-expressionista.

Precoce, ao completar três anos de idade Jean já traçava caricaturas e copiava figuras que então povoavam os desenhos que ele gostava de assistir na T...

3 Dec 2018


Karo Akpokiere é um artista, designer e ilustrador, nascido em Lagos, na Nigéria, em 1981.

seu trabalho se concentra na fusão de experiências e observações obtidas a partir das minúcias da vida cotidiana, com interesse nos aspectos visuais e escritos da cultura popular...

11 Nov 2018

"O Decálogo do Bom Escravo" é um trabalho do ilustrador brasileiro Robert Yo.

Acesse as redes sociais do artista:

Instagram: https://www.instagram.com/robert.yoo/

Facebook: https://www.facebook.com/pg/RobertYoArte

Site: http://robertdesenhos.blogspot.com/

Please reload

 

Em meio à festa, à dança. à diversão: o tempo passa.
Em meio ao trabalho, o relatório, o feedback: o tempo passa.

Durante o domingo, durante o sexo, durante a partida de futebol e a risada pós piada, cada segundo passa, escorrendo pelo rastro de tantos outros segundos perdidos, de tantas outras ideias esquecidas, de tantos outros desejos abandonados.

Se uma ideia não realizada é uma ideia inexistente, então também cada palavra não proclamada é um pensamento inexistente. Cada plano abandonado uma rendição prévia. E a cada tópico anteriormente citado, uma inexistência de parte do que nos constitui.

Totentanz é a recordação do tempo constante, é a observação do tudo no agora.

É a busca, mesmo que sempre busca, da observação do caos em sua plenitude.

O Manifesto não busca a individualidade, nem a remediação do singular. 

Pretende a busca da identificação exterior do sujeito de Rimbaud. O continente humano de John Donne. A celebração de Whitman. A razão de Hamlet. O tempo: Chronos e Kairós.

   MANIFESTo TOTENTANZ    

     POSTS centes:      
Please reload

Feed do Instagram

caoscultural4.png

ouça o podcast

do caos cultural

Sem título.jpg

apoie um projeto:

contos clássicos de fantasma

© 2016 por O Caos Cultural.